times

“A prostituição diz muito sobre a sociedade”

O manifesto das auto-intituladas “Mães de Bragança” fez José Machado Pais mergulhar num estudo que lhe levou uma dúzia de anos a concluir. O enfoque não tem de estar nas “mães” ou nas “putas”, pode estar nos maridos-clientes, prisioneiros na relação de submissão a que sujeitam as suas mulheres.

Ana Cristina Pereira, jornalista do Público, conversa com José Machado Pais sobre o estudo realizado a partir do “Red Light District” de Portugal: Bragança.

Lembra-se do movimento das “Mães de Bragança”? Absolviam os maridos. Perdoavam-lhes os desvarios, porque eles, “coitados”, eram “amarrados” pelas “sedutoras”, “macumbeiras”, “pecadoras” vindas de além-mar. As “brasileiras” valiam-se de “falinhas mansas”, “drogas”, “feitiços”, “rezas”, “mezinhas”, “bruxarias”, “pétalas de rosa”, “raízes de amor-perfeito” para os deixar “de cabeça perdida”.

(ler mais)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *